Mediadores inflamatórios e desordens estéticas


A inflamação era vista apenas como um sistema de defesa do organismo, resposta local aguda a infecções, cirurgias e traumas. Mas, atualmente, o processo inflamatório crônico, mediado pelo sistema imune inato, está sendo bem estudado e já se constatou sua correlação com o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis, como obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares.

Essa inflamação crônica é promovida por meio da atividade de citocinas e polipeptídeos produzidos por algumas células, como monócitos e macrófagos, produção estimulada pelo estilo de vida, exposição a toxinas (fumo), dieta inadequada, estresse, entre outros fatores. A dieta ocidental atual é reconhecidamente um fator que contribui muito para essa inflamação, e um dos principais fatores é o desequilíbrio entre o consumo de ácidos graxos ômega-3 e ômega-6.

Quem faz o controle da inflamação no organismo são hormônios, os quais podem ativar ou inibir a inflamação. Esses hormônios são prostaglandinas e leucotrienos sintetizados a partir do ômega-3 e 6 provenientes da dieta. As prostaglandinas e leucotrienos produzidos pelo ômega-3 são respectivamente das séries 3 e 5, que atuam no processo anti-inflamatório; diferente dos que são produzidos pelo ômega-6 das séries 2 e 4, que participam de maneira efetiva na inflamação.

Desordens estéticas podem ser desencadeadas ou agravadas pela liberação de mediadores inflamatórios. A obesidade, por exemplo, é caracterizada por um processo inflamatório crônico e brando no tecido adiposo, que é um órgão secretor de produtos e mediadores inflamatórios. Processo, este, que induz resistência à insulina, que, por sua vez, em consequência ao déficit de sua ação no fígado, tecidos adiposo e muscular, leva ao aumento da reação inflamatória crônica, com isso, formando um ciclo vicioso sem fim.

No processo de inflamação crônica, também, são liberados proteases citotóxicas e radicais livres de oxigênio ─ responsáveis por danos significativos em diversos órgãos, como na pele. Juntamente com a ação da protease de fracionar a elastina e o colágeno da pele, podem provocar e aumentar o envelhecimento cutâneo.

Conforme o exposto, fica evidente a importância da recomendação de uma dieta composta por alimentos com características anti-inflamatórias, como ácidos graxos poli-insaturados, peixes, ervas, fitoterápicos e outros alimentos (vegetais de folhas verdes, abacaxi, aveia, arroz integral, etc.).

Referências:

PASCHOAL, V.; NAVES, A.; FONSECA, A. B. B. L. Nutrição Clínica Funcional dos Princípios à Prática Clínica. São Paulo: Vp, 2008.

PUJOL, A. P. Nutrição Aplica à Estética. Rio de Janeiro: Rubio, 2011.

Featured Posts
Posts em breve
Fique ligado...
Recent Posts
Posts em breve
Fique ligado...

© Copyright 2017. Equaliv

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle