Proteção antioxidante


Os antioxidantes podem ser definidos como qualquer substância que, presente em baixas concentrações, quando comparada ao substrato oxidável, apresenta ação de inibir e reduzir a oxidação deste substrato de maneira eficaz. Podem ser classificados como enzimáticos ou não enzimáticos.

Os radicais livres são definidos como um átomo ou molécula não pareado, o que os torna altamente reativos, podem ser gerados no citoplasma, mitocôndrias ou na membrana, onde seu alvo celular está relacionado com o seu sítio de formação. O estresse oxidativo ocorre quando há o desequilíbrio entre moléculas oxidantes e antioxidantes e que resulta na indução de danos celulares, que estão relacionados com a etiologia de diversas doenças, como cardiopatias e aterosclerose, além de já estarem relacionados com processos de mutagênese e carcinogênese.

Na defesa antioxidante são encontradas enzimas, a primeira a atuar é o superóxido dismutase (SOD), seguido da catalase, enzimas dependentes de selênio (GPx, TrxR, SePP, SepW, SePK e SePR), e, após, os antioxidantes exógenos, como as proteínas, minerais, carotenoides, vitaminas, polifenóis, entre outros.

A utilização dos compostos antioxidantes encontrados na alimentação ou de maneira sintética é um dos mecanismos de defesa contra os radicais livres que beneficiam a saúde de diversas formas. Os antioxidantes atuam impedindo a formação dos radicais livres, principalmente pela inibição das reações em cadeia com o ferro e cobre, minerais altamente reativos. Ainda são capazes de interromper os radicais livres gerados pelo metabolismo celular ou por fontes exógenas, impedindo o ataque sobre os lipídeos, aminoácidos, dupla ligação dos ácidos graxos poli-insaturados e as bases do DNA, assim, evitando a formação de lesões e perda da integridade celular.

Os antioxidantes obtidos por meio da alimentação, como as vitaminas A, C e E, os flavonoides e carotenoides, são extremamente importantes na intercepção dos radicais livres. Outro mecanismo de proteção é o reparo das lesões causadas pelos radicais. Esse processo está relacionado com a remoção de danos da molécula de DNA e a reconstituição das membranas celulares danificadas. Em algumas situações, pode ocorrer uma adaptação do organismo em resposta à geração desses radicais com o aumento da síntese de enzimas antioxidantes.

Referências

OKIGAMI, H.; MONÇÃO, C. P. A busca pelo equilíbrio bioquímico. São Paulo, 2015.

FERREIRA, I. C. F. R.; ABREU, R. M. V. Stress oxidativo, antioxidantes e fitoquímicos. Bioanálise, v.1, n. 2, p. 32-39, 2007.

CERQUEIRA, F. M.; DE MEDEIROS, M. H. G.; AUGUSTO, O. Antioxidantes dietéticos: controvérsias e perspectivas. Química Nova, v. 30, n. 2, p. 441, 2007.

Featured Posts
Posts em breve
Fique ligado...
Recent Posts
Posts em breve
Fique ligado...

© Copyright 2017. Equaliv

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle