Inflamação e envelhecimento saudável


As pessoas do século XXI irão viver mais tempo graças aos avanços sociais e médicos. Nosso desafio será fazer com que esses anos adicionados sejam os mais saudáveis e produtivos possíveis. Apesar de sua tamanha importância e de todos os avanços, o envelhecimento é um processo ainda pouco compreendido em nossas vidas. Entre as marcas do envelhecimento estão: instabilidade genômica, atrito de telômeros, alterações epigenéticas, disfunção mitocondrial, senescência celular, comunicação intercelular alterada e exaustão de células tronco (stem cells).

Uma grande parte do fenótipo de envelhecimento é explicado por um desequilíbrio entre as redes inflamatórias e anti-inflamatórios. Os níveis de mediadores inflamatórios normalmente aumentam com a idade, mesmo na ausência de infecção aguda ou outras formas de estresse fisiológico. Embora os níveis ainda estejam em níveis sub-agudos, esta inflamação crônica relacionada com a idade está associada e antecede muitas condições relacionadas com o envelhecimento. De acordo com a teoria de inflamação e oxidação do envelhecimento (oxi-inflammaging theory), o processo de envelhecimento é um estado de estresse oxidativo e inflamatório crônico, que leva à deterioração de componentes celulares, incluindo proteínas, lipídios e DNA, contribuindo para o declínio relacionado com a idade das funções fisiológicas. Isso é especialmente evidente nas células que regulam a homeostase, tais como o sistemas nervoso, endócrino e imunitário. Ele explica suas perdas funcionais observadas durante o envelhecimento, com um consequente aumento da morbidade e mortalidade.

A perda progressiva da integridade fisiológica celular e orgânica é o principal fator de risco para as principais patologias humanas, incluindo a síndrome metabólica, o câncer, o diabetes, as doenças cardiovasculares e as doenças neurodegenerativas. Devido a um desequilíbrio entre consumo e gasto energético, em grande parte atribuível ao aumento da disponibilidade de alimentos com alto teor calórico, juntamente com a adoção de um estilo de vida sedentário, o contínuo aumento da obesidade e de distúrbios metabólicos, como diabetes tipo 2, e a progressão na velocidade do envelhecimento da população a nível mundial vão continuar sendo os principais contribuintes para a mortalidade cardiovascular e para as perturbações no envelhecimento nos próximos 50 anos. Isso enfatiza a importância do controle de peso e intervenção precoce em relação aos fatores de risco modificáveis ​​em pacientes com sobrepeso na população.

Para reduzir a carga de desordens cardiometabólicas e também o início precoce de distúrbios do envelhecimento, promover o exercício físico com uma dieta complementar, suplementando com fitoquímicos bioativos, é fundamental para restaurar a homeostase imune e melhorar a saúde humana. O mesmo se aplica, por exemplo, ao uso de ácidos graxos poli-insaturados do tipo Ômega 3. Nas últimas décadas, evidências de estudos observacionais prospectivos e ensaios clínicos tem convergido para apoiar a importância de nutrientes específicos, alimentos e padrões de dieta na prevenção e gestão de distúrbios metabólicos. Com ênfase na qualidade global da dieta, vários padrões alimentares, tais como a dieta mediterrânea, dieta de baixo índice glicêmico, ingestão moderadamente baixa de carboidratos e dietas vegetarianas podem ser adaptadas às preferências alimentares pessoais e culturais e necessidades energéticas apropriadas para o controle de peso, prevenção de diabetes e gestão de risco cardiometabólico.

Embora os estudos de associação genômica (GWAS) tenham identificado variantes genéticas que afetam centenas de genes relacionados ao metabolismo energético envolvido em doenças de estilo de vida e envelhecimento, a maioria das variantes identificadas até agora conferem relativamente pequenos incrementos em risco. Em analogia com a sequência de referência do genoma humano que permitiu os estudos GWAS, o NIH Roadmap Epigenomics Consortium gerou a maior coleção de sequências de epigenoma humanos para o estudo de associação ampla de epigenoma (EWAS). A partir de vários estudos de associação em todo o epigenoma (EWAS), tornou-se claro que modificações epigenéticas em resposta à dieta e às condições ambientais o estresse contribuíu para as mutações genéticas e para o desenvolvimento e progressão de doenças ligadas a inflamação e envelhecimento (inflammaging) tais como a artrite reumatóide, doenças metabólicas (obesidade, diabetes tipo 2), doenças cardiovasculares e câncer.

Por exemplo, mudanças do estilo de vida, dieta, macro e micronutrientes têm uma forte influência na regulação epigenética de produtos chave de genes do metabolismo energético como a leptina (que é responsável pelo controle do apetite), receptor de insulina (que desempenha um papel central na homeostase da glicose), TNF alfa (considerado como um adipocina devido ao seu papel na inflamação relacionada com a obesidade e na modulação da resposta de insulina), e na síntese de ácidos graxos (catalisadora na síntese de ácidos graxos). Evidências cumulativas também apontam para uma base epigenética de origem fetal em diversas desordens metabólicas dos adultos. Mais particularmente, alguns dos efeitos adversos epigenéticos de comportamentos em estilo de vida talvez estejam enraizados em perturbações intrauterinas durante a gravidez e também na vida pós-natal precoce, moldando o fenótipo metabólico, talvez ao longo de gerações, e afetando o risco de doença ao longo da vida.

Fitoquímicos de plantas parecem ser cruciais para alcançar a correta relação entre o homem e a natureza e entre o equilíbrio da dieta e da saúde. Vários compostos polifenólicos, como o resveratrol, catequinas do chá, e flavonóides, que são comumente encontrados em vegetais, frutas e sucos ou bebidas de origem vegetal, e que também podem ser usadas no formato de nutracêuticos, exercem atividades cardioprotetoras, neuroprotetoras, quimiopreventivas e anti-inflamatórias. Os mecanismos clássicos propostos para os benefícios destes fitoquímicos para a saúde são as seguintes: (1) atividade antioxidante direta ou aumento da expressão das proteínas antioxidantes; (2) atenuação do estresse de sinalização do retículo endoplasmático; (3) o bloqueio de citocinas proinflamatórias; (4) bloqueio de fatores de transcrição relacionados com doenças metabólicas; (5) indução da expressão de genes metabólicos; e (6) a ativação de fatores de transcrição que antagonizam a inflamação. Além da visão clássica da conversão química de alimentos em energia, a comida é agora também um ambiente condicionante que molda a atividade do genoma (epi) e determina as respostas adaptativas de estresse, metabolismo energético, homeostase imune, e toda a fisiologia do corpo. Estudos epidemiológicos em humanos e intervenções dietéticas adequadamente concebidas em modelos animais têm fornecido evidências que sugerem que o desequilíbrio nutricional materno e perturbações metabólicas, durante as janelas de tempo críticas de desenvolvimento, podem ter um efeito persistente na saúde das crias e podem mesmo ser transmitidos para as próximas gerações. Seria o famoso Imprinting Metabólico. Esta hipótese postula que uma incompatibilidade nutricional ou ambiental entre o período pré-natal (in utero) e na vida pós-natal (desmame, infância, vida adulta) desempenha um papel causal importante nas doenças não transmissíveis, incluindo diabetes, doenças cardiovasculares, alergias, algumas formas de câncer, declínio cognitivo e perturbações afetivas. Todas envolvendo processos inflamatórios e que podem ser modulados desde a vida intrauterina com nutrientes doadores de metil como a vitamina B12, ácido fólico, colina, betaína,metionina, serina e glicina; com fitoquímicos como resveratrol, curcuminóides, polifenóis, sulfurofanos, isoflavonas e genisteína; ácidos graxos como o EPA e o DHA; vitaminas como o retinol, os tocoferóis e a vitamina C. Comida, nutrientes, nutracêuticos são INFORMAÇÃO. E é desse tipo adequado de informação que nossa genética precisa para ser moldada para sermos saudáveis, crescermos, nos desenvolvermos e envelhecermos melhor.

Saúde a todos!!!!

Featured Posts
Posts em breve
Fique ligado...
Recent Posts
Posts em breve
Fique ligado...

© Copyright 2017. Equaliv

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle