Cálcio e vitamina D na saúde óssea

May 11, 2016

 

 

O tecido ósseo, continuamente, passa por processo de remodelação, que passa pela ação das células osteoclastos e osteoblastos, envolvidas, respectivamente, na reabsorção e formação de novas células ósseas.


A remodelação óssea é um mecanismo fisiológico que consiste na reconstrução de áreas do tecido ósseo por meio do acoplamento de funções dos osteoblastos e osteoclastos. A remodelação se faz necessária à manutenção do esqueleto e à homeostase do cálcio e fósforo.


Diversos fatores atuam sobre a reabsorção e formação do tecido ósseo, incluindo a genética, a nutrição, os hormônios, as citocinas e as prostaglandinas. E alterações nas funções desses interferem em todo o processo de remodelação.


A biodisponibilidade de cálcio oriundo da alimentação influencia no controle de sua homeostase. E o paratormônio (PTH) e a forma ativa da vitamina D [1,25 (OH)2D3], também denominada calcitriol, são os responsáveis pela sua homeostase.


O mecanismo de regulação óssea se inicia com o declínio das concentrações plasmáticas de cálcio, que provoca a secreção do PTH. Este, por sua vez, atua estimulando a reabsorção óssea, liberando cálcio para a circulação e aumentando a reabsorção tubular desse íon nos rins. O PTH, também, estimula a síntese de calcitriol, que age estimulando o transporte transepitelial de cálcio no intestino e mobilizando-o do osso para a circulação, além de regular a síntese e secreção do PTH.


Os efeitos do cálcio e da vitamina D sobre a saúde óssea vêm sendo estudados há muito tempo. E, dessa forma, a adequação da ingestão desses nutrientes faz-se extremante necessária, principalmente no que diz respeito à prevenção de doenças, como a osteoporose.


A maior parte do cálcio encontra-se depositada no esqueleto e o restante está distribuído nos dentes, tecidos moles, plasma e fluido extracelular. Estudos indicam que o aumento de sua ingestão reduz a perda óssea e o risco de fraturas. Isso porque ele participa do cristal de hidroxiapatita que dá resistência mecânica ao osso. As maiores fontes são o leite e derivados, tofu, repolho e vegetais verde-escuros, como brócolis, couve e espinafre.


Já a vitamina D atua na absorção intestinal do cálcio dietético e na reabsorção tubular renal do íon nos rins. Reduz os níveis de PTH e estimula a osteogênese pelos osteoblastos. E sabe-se que sua associação com o cálcio é de extrema eficiência na diminuição da incidência de fraturas. Sua principal fonte em humanos é a exposição à luz solar, entretanto, atualmente, essa exposição é insuficiente e os componentes alimentares tornaram-se as principais opções. Entre eles estão o óleo de peixe, a manteiga, a gema de ovo e o fígado.


As recomendações diárias de ingestão de vitamina D e cálcio para adultos com até 50 anos de idade são de 5µg e 1000mg, respectivamente. Para adultos com mais de 50 anos, a recomendação é aumentada, sendo de 10µg para vitamina D e 1000mg de cálcio.


Contudo, visto que o cálcio e a vitamina D exercem papéis essenciais na saúde óssea, é de extrema importância estratégias viáveis que incentivem o consumo desses nutrientes. E, apesar de a luz solar contribuir para a síntese da vitamina D, de acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, medidas de proteção solar devem ser adotadas, como o uso de roupas, chapéus, óculos escuros e evitar o sol entre 10 e 15 horas, de forma a prevenir o câncer e envelhecimento da pele.


Referências


MARQUES, C. D. L. A importância dos níveis de vitamina D nas doenças autoimunes. Rev. Bras. Reumatol., São Paulo, v. 50, n. 1, p. 67-80, 2010.


MOREIRA, R. O.; DUARTE, M. P. C.; FARIAS, M. L. F. Distúrbios do eixo cálcio-PTH-vitamina D nas doenças hepáticas crônicas. Arq Bras Endocrinol Metab., São Paulo, v. 48, n. 4, p. 443-450, 2004.


PADOVANI, R. M. et al. Dietary reference intakes: aplicabilidade das tabelas em estudos nutricionais. Rev. Nutr., Campinas, v. 19, n. 6, p. 741-760, 2006.


PASCHOAL, V. Suplementação funcional magistral: dos nutrientes aos compostos bioativos. São Paulo: Valeria Paschoal, 2008. 

    
PREMAOR, M. O.; FURLANETTO, T. W. Hipovitaminose D em adultos: entendendo melhor a apresentação de uma velha doença. Arq Bras Endocrinol Metab, São Paulo, v. 50, n. 1, p. 25-37, 2006.


PEREIRA, G. A. P. Efeito da suplementação de cálcio e vitamina D no metabolismo mineral ósseo de mulheres na pós-menopausa com osteoporose. 2008. 93 fls. Dissertação (Mestrado em Nutrição na especialidade Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.


SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA (SBP). Nota oficial da Sociedade Brasileira de Dermatologia sobre a matéria ‘Um lugar ao sol para a vitamina D’. Revista Veja, n. 2.304, 16 jan. 2013. Disponível em: <http://www.sbd.org.br/nota-oficial-da-sociedade-brasileira-de-dermatologia-sobre-a-materia-um-lugar-ao-sol-para-a-vitamina-d-publicada-na-revista-veja-edicao-2-304-16-de-janeiro-de-2013-2/>. Acesso em: 03 mar. 2016.


SOUZA, M. P. G. Diagnóstico e tratamento da osteoporose. Rev. Bras. Ortop., São Paulo, v. 45, n. 3, p. 220-229, 2010.

Tags:

Please reload

Featured Posts

Gastrite pode ser prevenida com mudança de hábitos

February 28, 2020

1/10
Please reload

Recent Posts
Please reload

© Copyright 2017. Equaliv

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle