Peso antes da gestação: influência na saúde do bebê?


A saúde materna exerce grande influência no desenvolvimento e funcionamento do organismo do bebê, e isso está relacionado, principalmente, ao peso da mãe antes da gestação. Diferentemente do que determinados estudos têm afirmado, um novo trabalho da Universidade de Bristol, no Reino Unido, publicado no periódico PLOS Medicine, mostrou que o peso da mulher durante a gravidez não teria impacto significativo sobre o risco de desenvolvimento de sobrepeso e obesidade na infância e na adolescência, sendo isso mais atrelado ao peso da mãe antes da gravidez em razão da transmissão genética.

O estudo avaliou que maior adiposidade materna durante a gravidez afeta o risco de distúrbios metabólicos da criança através de mecanismos intrauterinos. O objetivo foi investigar o efeito causal da exposição intrauterina a um maior índice de massa corporal materna (IMC), assim, mostrando que mães com IMC mais alto na gravidez tinham filhos com peso maior ao nascimento. Os pesquisadores usaram dados de IMC e informações genéticas de 6.057 pares mãe-filho, em dois estudos prospectivos de coorte. Em uma coorte, o IMC dos filhos foi medido em torno dos 6 anos e, na outra, foi realizado diversas vezes entre as idades 7 e 18 anos.

Os resultados evidenciaram que, quando as mães apresentavam IMC na faixa de sobrepeso e obesidade antes da gravidez, seus filhos também demonstraram maior peso em todas as idades avaliadas (infância e adolescência). Essa relação foi amplamente associada pela transmissão de genes da obesidade durante a gestação. A pesquisa teve algumas limitações para testes de sensibilidade, que dependiam do IMC autorrelatado antes da gravidez e não incluíam avaliação de ganho de peso durante a gravidez.

Segundo os autores, o estudo foi importante para sugerir que intervenções de saúde pública são essenciais para todos os membros de uma família, em diferentes estágios da vida. É preciso, portanto, adequar os hábitos alimentares da população, de forma eficaz e rigorosa, em busca de reduzir essa epidemia da obesidade. Outros estudos relacionados à área ainda devem ser realizados.

REFERÊNCIAS

BOWDEN, J.; DAVEY SMITH, G.; BURGESS, S. Mendelian randomization with invalid instruments: effect estimation and bias detection through Egger regression. International journal of epidemiology, v. 44, n. 2, p. 512-25, 2015.


DIDELEZ, V.; MENG, S.; SHEEHAN, N. A. Assumptions of IV Methods for Observational Epidemiology. Stat Sci., v. 25, n. 1, p. 22-40, 2010.


Genomes Project Consortium, Abecasis GR, Auton A, Brooks LD, DePristo MA, Durbin RM, et al. An integrated map of genetic variation from 1,092 human genomes. Nature., v. 491, n. 7422, p. 56-65, 2012.


PALMER, T. M. et al. Using multiple genetic variants as instrumental variables for modifiable risk factors. Statistics in medicine, v. 21, n. 3, p. 223-242, 2012.

RICHMOND, R. et al. Using Genetic Variation to Explore the Causal Effect of Maternal Pregnancy Adiposity on Future Offspring Adiposity: A Mendelian Randomisation Study. PLOs Medicine, v. 14, n. 1, jan. 2017.

Tags:

Featured Posts
Posts em breve
Fique ligado...
Recent Posts
Posts em breve
Fique ligado...

© Copyright 2017. Equaliv

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle