A dupla arroz e feijão e seus benefícios


No Brasil não tem jeito: um arroz e um feijão sempre vão bem. Além de saborosos, os dois alimentos fazem bem para a saúde e devem sim fazer parte do cardápio diário dos brasileiros - no caso do arroz, o mais indicado é optar pelo integral. Confira mais informações nutricionais sobre a duplinha brasileira:


Arroz

O arroz é considerado pela FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations) como um dos alimentos mais importantes que existem, por oferecer um excelente balanceamento nutricional.

O grão é constituído principalmente por amido e é também rico em carboidratos. Em sua forma natural, é um alimento essencialmente energético, mas pode ser também uma importante fonte de proteínas, sais minerais (principalmente fósforo, ferro e cálcio) e vitaminas do complexo B, como a B1 (tiamina), B2 (riboflavina) e B3 (niacina).

No Brasil, o consumo per capita de arroz é de 108g por dia, fornecendo desta forma aproximadamente 14% dos carboidratos, 10% das proteínas e 0,8% dos lipídios da dieta diária dos brasileiros.

Diversos componentes do arroz também têm sido relacionados a diferentes efeitos benéficos no organismo, como auxílio no controle da glicose sanguínea, redução dos lipídios séricos e da pressão arterial, entre outros, auxiliando na prevenção e no controle de doenças crônicas, como diabetes e doenças cardiovasculares.


Feijão

O feijão é a principal leguminosa fornecedora de proteínas para grande parte dos brasileiros. Os seus grãos possuem de 20 a 45% de proteínas, além de serem uma das mais ricas fontes de ferro.

O feijão também contém carboidratos, vitaminas (principalmente as do complexo B), sais minerais, como cálcio, potássio e fósforo, além de fibras, que auxiliam no bom funcionamento do interino e no controle dos níveis de colesterol e glicose no sangue.

Outro ponto do feijão é que ele conta com elevada concentração do aminoácido lisina, que é considerado de grande valor na complementação das proteínas dos cereais, como o arroz.

No entanto, antes de consumir o produtoé recomendado que ele seja deixado de molho para que sejam eliminados alguns compostos como taninos e fitatos, que diminuem a digestibilidade de certos alimentos, e dos oligossacarídeos, compostos que formam gases intestinais.

BARATA, T.S.B. Caracterização do consumo de arroz no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 43, 2005, Ribeirão Preto. Anais... Disponível em: http://www.arroz.agr.br>., fev 2005.

WALTER M., E. MARCHEZAN, AVILLA, L.A. Arroz: composição e características nutricionais. Ciência Rural, v.38, n.4, p.1184-1192, jul 2008

CHAVES, M. O.; BASSINELLO, P. Z. O feijão na alimentação humana, EMBRAPA, vol. 1, nº 1, 2014

TOLEDO, T. C. G.; CANNIATTI-BRAZACA, S. G. Avaliação química e nutricional do feijão carioca (Phaseolus vulgaris L.) cozido por diferentes métodos. Ciência e Tecnologia de Alimentos, vol. 28, nº 2, p. 355-360, 2008

Featured Posts
Posts em breve
Fique ligado...
Recent Posts
Posts em breve
Fique ligado...

© Copyright 2017. Equaliv

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle